Reintegração. Sem teto tentam resistir em prédio invadido no centro de São Paulo

SP: reintegração de posse tem confronto e incêndio em prédio

Um grupo de sem-teto entrou em confronto com a Polícia Miliar na madrugada desta quarta-feira em uma ocupação na rua Conselheiro Crispiniano, no centro de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, cerca de 70 ocupantes de um prédio que passaria pelo processo de reintegração de posse hoje tentaram invadir outros dois prédios e foram contidos pela corporação, que reagiu com bombas de efeito moral. Duas pessoas foram detidas nas tentativas de invasão.
Por volta das 3h30, o grupo ateou fogo no prédio invadido, que tem 10 andares. O Corpo de Bombeiros foi acionado e conseguiu apagar as chamas, que não feriram ninguém. Poucos minutos após o incêndio, quando representantes dos sem-teto negociavam com a PM, outro incêndio teve início no mezanino do prédio, pegando a todos de surpresa. Mais uma vez os bombeiros foram acionados e apagaram as chamas.
De acordo com Elenice Tatiane Alves, uma das coordenadoras do MSTS, a reintegração ocorreria às 6h, mas os policiais chegaram às 4h.
“Tínhamos 150 famílias morando no prédio e não consegui realocar todas elas. Eu estava com mais de 30 famílias sem ter para onde ir. Por isso, tentamos ocupar dois prédios”, disse ela.
A Polícia Militar informou que o grupo tentou ocupar o edifício localizado na mesma rua, na altura do número 325, mas foi impedido pelos policiais. Segundo a corporação, os integrantes do MSTS atearam fogo ao segundo, terceiro e quarto andares do prédio.
“A polícia jogou bombas de efeito moral, gás lacrimogênio. Eles vieram para cima, empurrando, mandando voltar para o prédio, mesmo tomado de fumaça. Algumas pessoas acabaram se revoltando, quebrando janela, botando fogo”, contou Elenice.
De acordo com a PM, a reintegração de posse ainda está em curso, mas o edifício já foi totalmente esvaziado. A maioria das famílias foi levada para outra ocupação próxima, no Cine Marrocos

Trânsito

A ocorrência na rua Conselheiro Crispiniano bloqueou a via totalmente na altura da praça Ramos de Azevedo. De acordo com a SPTrans, pelo menos 40 linhas mudaram o itinerário por causa das interdições.
Por volta das 6h50 a via começou a ser liberada pelos agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).