Cuidado ambiental – Telhados verdes de edifícios em Conpehagen diminuem níveis de CO2

Um teto verde a cada edifício: A política de Copenhague para eliminar as emissões de carbono até 2025

Em 2008 a Comissão Europeia estabeleceu que a partir de 2010 daria o título de “Capital Verde Europeia” às cidades que adotassem iniciativas sustentáveis visando tornar o meio-ambiente mais saudável. A primeira cidade a receber esse prêmio foi Estocolmo, seguida por Hamburgo (2011), Vitoria-Gasteiz (2012) e Nantes (2013).
Esse ano a Capital Verde Europeia é Copenhague, cidade que se destaca pelo incentivo ao uso da bicicleta como meio de transporte. Nesse sentido, um dos objetivos de seus governantes é que, até 2015, 50% da população – cerca de 541 mil habitantes – utilize a bicicleta para trajetos urbanos cotidianos. Para alcançar essa meta um Circuito Verde – onde coexistem uma linha de metrô e uma “super rota de bicicletas” – está sendo projetado.
Um segundo objetivo que a cidade se propôs é eliminar suas emissões de carbono até 2025. Para desenvolver essa ideia a cidade estabeleceu, através de planos estratégicos de sustentabilidade e mudança climática, que as coberturas dos novos edifícios (que tiverem a inclinação adequada) deverão ser, obrigatoriamente, “tetos verdes”.
Saiba mais sobre essa medida e sobre os projetos urbanos incluídos nela.

Estratégias que visam à construção de telhados verdes

A ideia de construir tetos verdes na capital da Dinamarca surgiu com mais força em 2008 como uma forma de gerenciar mais eficientemente as águas pluviais e residuais, considerando-se que, segundo estudos, durante os próximos 100 anos choverá 30% a mais do que chove atualmente.
Desde então a cidade focou na solução dessa questão através do desenho urbano, incluindo em suas três estratégias – Sustentabilidade na Construção e Obras Civis, Plano Climático e Estratégia para a Biodiversidade – a construção de mais tetos verdes a fim de tornar Copenhague uma cidade mais sustentável.
A partir dessas três iniciativas se considera, entre outras coisas, que as coberturas dos novos edifícios (com inclinação menor ou igual a 30°) sejam cobertas por vegetação. Quando essa iniciativa entrou em vigor em 2010 a cidade contava com 40 tetos verdes que totalizavam 200 mil metros quadrados. Com a nova iniciativa estima-se o aumento dessas áreas verdes em 5.000 metros quadrados por ano.

Quais são os benefícios dos tetos verdes para as cidades?

De acordo com o informativo “Green Roofs”, elaborado pela Administração Técnica e de Meio-Ambiente de Copenhague, essas áreas verdes podem variar de pequenas intervenções a jardins, diferença estabelecida segundo o tipo de vegetação, a frequência de irrigação, tamanho, entre outras características.
Como as coberturas são, por vezes, espaços inutilizados, sua transformação em espaços verdes permite criar um habitat adequado para a flora e fauna.
Os tetos verdes também ajudam a reduzir a temperatura no interior dos edifícios e em seu entorno. Uma boa ideia para implantar por aqui, no Brasil.